Proposta Pedagógica – EI

Proposta Pedagógica da Educação Infantil
.

A proposta pedagógica da Educação Infantil baseia-a na construção do protagonismo na criança de forma a atuar como um agente ativo no processo de construção do conhecimento.

O aluno é visto, considerado e respeitado dentro da sua individualidade como um ser social que atua, aprende, experimenta e elabora a sua identidade nas interações com o meio físico e social.

Promovemos uma atmosfera sóciomoral que garanta os direitos de aprendizagem da criança em conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se.

O corpo docente é comprometido e atuam como mediadores no processo de ensino, além de serem tutores. O contato entre família e Colégio é feito, primeiramente, por meio do tutor e se necessário o tutor orienta os demais contatos.

A prática educativa se organiza através dos blocos de conteúdos das áreas de Linguagem Oral e Escrita, Matemática, Natureza e Sociedade, Artes, Movimento e Formação Pessoal e Social e Informática na Educação.

Formação pessoal e social: Identidade e Autonomia

O desenvolvimento da identidade e da autonomia estão intimamente relacionados com os processos de socialização. Nas interações sociais se dá a ampliação dos laços afetivos que as crianças podem estabelecer com as outras crianças e com os adultos, contribuindo para que o reconhecimento do outro e a constatação das diferenças entre as pessoas sejam valorizadas e aproveitadas para o enriquecimento de si próprias.

A capacidade das crianças de terem confiança em si e o fato de sentirem-se aceitas, ouvidas, cuidadas e amadas oferecem segurança para a formação pessoal e social. A possibilidade de desde muito cedo efetuarem escolhas e assumirem pequenas responsabilidades favorece o desenvolvimento da autoestima, essencial, para que as crianças se sintam confiantes e felizes.

A importância do brincar

Brincar é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. O fato de a criança, desde muito cedo, poder se comunicar por meio de gestos, sons e mais tarde representar determinado papel na brincadeira faz com que ela desenvolva sua imaginação. Nas brincadeiras as crianças podem desenvolver algumas capacidades importantes, tais como a atenção, a imitação, a memória, a imaginação. Amadurecem também algumas capacidades de socialização, por meio da interação e da utilização e experimentação de regras e papéis sociais. A diferenciação de papéis se faz presente sobretudo no faz-de-conta, quando as crianças brincam como se fossem o pai, a mãe, o filhinho, o médico, o paciente, heróis e vilões etc., imitando e recriando personagens observados ou imaginados nas suas vivências.

A fantasia e a imaginação são elementos fundamentais para que a criança aprenda mais sobre a relação entre as pessoas, sobre o eu e sobre o outro.

Talvez a melhor resposta fosse: brincar para estar bem, para estar e ser feliz!

É fato indiscutível dizer que as crianças brincam porque gostam, porque sentem prazer com as experiências. Ampliaremos um pouco esse olhar óbvio, porém digno da nossa atenção enquanto educadores, expondo de forma parcial alguns aspectos sobre nossa concepção do brincar.

Não é difícil perceber que as crianças brincam com e por prazer, mas pode ser mais difícil perceber que brincam para escoar sentimentos, controlar impulsos que conduzem à angústia, se estes não forem controlados. Compete a nós, como educadores, não ignorar essa valiosa contribuição que a criança nos traz, por meio da brincadeira, para a integração de sua personalidade.

Então, podemos apontar as brincadeiras como um elo entre o mundo interior da criança e o mundo exterior, momento em que acontece uma interação e, conseqüentemente, um jeito de existir no mundo.

A brincadeira está para a criança assim como o trabalho está para o adulto. Ela é importante por resultar em experiências que conduzem a um desenvolvimento, a um amadurecimento, somente assim as crianças ampliam gradualmente seu potencial de dentro para fora e de fora para dentro. Ou seja, é com a interação desses dois universos que a criança aprende a encontrar seu lugar no mundo.

Na Educação Infantil do Colégio, a brincadeira tem um lugar educativo, está aliada aos processos de ensino e aprendizagem, para que a criança viva inteiramente seu momento presente, desenvolva o que pode desenvolver, aprenda a aprender, porém, sentindo-se feliz!

Linguagem oral e escrita

A aprendizagem da linguagem oral e escrita é um dos elementos importantes para as crianças ampliarem suas possibilidades de inserção e de participação nas diversas práticas sociais e supera a ação impulsiva planejando soluções antes de serem executadas, e portanto, controlar comportamento.

Nosso trabalho com a linguagem se constitui um dos eixos básicos na educação infantil, dada sua importância para a formação do sujeito, para a interação com outras pessoas, na orientação das ações das crianças, na construção de muitos conhecimentos e no desenvolvimento do pensamento. Dessa forma, procuramos promover experiências significativas de aprendizagem da língua, por meio de um trabalho com a linguagem oral e escrita, para que ampliem suas capacidades de comunicação e expressão e de acesso ao mundo letrado pelas crianças. Essa ampliação está relacionada ao desenvolvimento gradativo das capacidades associadas às quatro competências lingüísticas básicas: falar, escutar, ler e escrever.

Matemática

As crianças, desde o nascimento, estão imersas em um universo do qual os conhecimentos matemáticos são parte integrante. As crianças participam de uma série de situações envolvendo números, relações entre quantidades, noções sobre espaço.

Utilizando recursos próprios e pouco convencionais, elas recorrem a contagem e operações para resolver problemas cotidianos, como conferir figurinhas, marcar e controlar pontos de um jogo, repartir balas com os companheiros, mostrar com os dedos a idade, manipular dinheiro e operar com ele etc. também observam e atuam no espaço ao seu redor e, aos poucos vão organizando seus deslocamentos, descobrindo caminhos, estabelecendo sistemas de referência, identificando posições e comparando distâncias.
Essa vivência inicial favorece a elaboração de conhecimentos matemáticos. Fazer a matemática é expor idéias próprias, escutar as dos outros, formular e comunicar procedimentos de resolução de problemas, confrontar, argumentar e procurar validar seu ponto de vista, antecipar resultados de experiência não realizadas, aceitar erros, buscar dados que faltam para resolver problemas, entre outras coisas. Dessa forma as crianças tomam decisões, agem como produtoras de conhecimento e não apenas como executoras de instruções. Portanto, nosso trabalho com a matemática tenta contribuir para a formação de cidadãos autônomos, capazes de pensar por conta própria, sabendo resolver problemas.

Natureza e Sociedade

O mundo onde as crianças vivem constitui em um conjunto de fenômenos naturais e sociais indissociáveis diante do qual elas se mostram curiosas e investigativas. Desde muito pequenas, pela interação com o meio natural e social no qual vivem, as crianças aprendem sobre o mundo, fazendo perguntas e procurando respostas às suas indagações e questões. Como integrantes de grupos socioculturais singulares, vivenciam experiência e interagem num contexto de conceitos, valores, idéias, objetos e representações sobre os mais diversos temas a que têm acesso na vida cotidiana, construindo um conjunto de conhecimentos sobre o mundo que as cerca.

Muitos são os temas pelos quais as crianças se interessam: pequenos animais, bichos de jardim, dinossauros, tempestades, tubarões, castelos, heróis, festa da cidade, programas de TV, notícias da atualidade, histórias de outros tempos etc. As vivências sociais, as histórias, os modos de vida, os lugares e o mundo são para as crianças parte de um todo integrado. Sendo assim, a intenção é que o trabalho ocorra de forma integrada, ao mesmo tempo em que são respeitadas as especificidades das fontes, abordagens e enfoques advindos dos diferentes campos das Ciências Humanas e Naturais.

Artes

As artes visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto bidimensional como tridimensional, no espaço, na cor, no desenho, na escultura, etc. Ao rabiscar e desenhar no chão, na areia, e nos muros, ao utilizar materiais encontrados ao acaso(pedras, carvão), ao pintar os objetos e até mesmo seu próprio corpo, a criança pode utilizar-se das Artes Visuais para expressar experiências sensíveis.

Educação Física

Consideramos que as atividades físicas propriamente ditas, são pautadas, antes de qualquer atitude, na premissa da heterogeneidade e da diversidade.
Isto significa na vida prática, que elaboramos e executamos os momentos de Educação física de maneira que contemplem mais de uma atividade ou uma mesma atividade com diferentes graus de dificuldade.

Dessa maneira, a apropriação do conhecimento articulado pela Educação Física prioriza um ambiente físico e social que possa permitir interações entre os educandos e dos mesmos com os educadores. Sendo assim, enxergamos o movimento carregado de intenções, inteligência e sentimentos.

Música e Inglês

A Musicalização Infantil beneficia o desenvolvimento de habilidades mentais, socializa, desenvolve a coordenação motora e autoconfiança. Estimula a criatividade e o raciocínio lógico.

As aulas de inglês na educação infantil tem como objetivo: ” Proporcionar ao aluno uma proximidade com outra língua de forma significativa e prazerosa.

Informática na educação

Para aprender é preciso agir intelectualmente sobre a informação.
Utilizando-se um conhecimento tecnológico, como, por exemplo, o computador, durante as aulas, acionamos a ferramenta e seus diversos recursos, para ampliar o acesso aos conteúdos propostos pelas demais disciplinas. Dessa forma, aprende-se que a utilização – mouse, teclado, monitor com os aplicativos oferecidos – é eficiente numa realidade existencial, enriquecendo o processo de aprendizagem .