Palavra do Diretor

Queridos pais, alunos, professores e colaboradores,

01 de outubro de 2018

Nossa proposta de educação integral deve zelar pela superação do individualismo e da estagnação cultural que prega, sobretudo, que o ser humano encontra-se neste mundo somente para competir e subjugar o outro. Em nossa missão, reconhecemos que temos que preparar o ser humano para o mundo onde “ele habita” e despertá-lo para a construção do mundo que “todos desejamos”. É preciso sentir, a cada dia, prazer ao recordar que se deve ser melhor, não que o outro, mas que si mesmo.  Nas palavras do próprio Santo Agostinho: “Supera-te!”.

Há, igualmente, a preocupação de que as longas e intensas jornadas de estudos de nossos jovens venham acompanhadas do esgotamento das forças psíquicas e espirituais. A boa notícia que recordamos, a qual se refere ao comprometimento com uma educação integral, sempre levou o CASJ a zelar pelo conhecimento intelectual, contudo não sem o zelo pelo autoconhecimento, a habilitar nossos jovens à convivência com o outro e à harmonia com o mundo. Trata-se de configurarmos uma educação em prol da existência humana verdadeiramente realizada e socialmente feliz.
Desse modo, com o aprimoramento das competências socioemocionais no CASJ, preocupamo-nos ainda mais com que o equilíbrio entre razão e emoção auxilie ainda mais no desenvolvimento intelectual do aluno, pois, desenvolvendo a “educação do coração”, mobilizamos ainda mais recursos cognitivos, visto que as emoções são fundamentais no processo de consolidação das aprendizagens – matéria já muito investigada por tantos neurocientistas.

Uma escola para o bem-estar: um compromisso de todos 

Nesse processo, o envolvimento do corpo docente é de crucial importância, pois tais competências deverão ser implementadas de modo a atravessar e articular todas as disciplinas rumo a esse propósito. A tutoria, por exemplo, a qual já exerce uma função de tamanha excelência em nossa instituição, terá ainda mais espaço com nossos alunos e, para isso, mais momentos de aperfeiçoamento terão espaço em nossa programação.

Tenho dito que este núcleo socioemocional, que pede ainda mais espaço a partir da nova BNCC, é para mim um grande facilitador do bem-estar. Todos somos agentes conscientes do desenvolvimento integral de nossos alunos, o qual envolve e compromete gestores, coordenadores, professores, colaboradores, famílias e alunos a trabalharem por este mesmo ideal, pois teremos maior satisfação de pertencermos à mesma instituição escolar, se ela continuar sendo um lugar de desenvolvimento do bem-estar, que favoreça o aluno a cultivar a empatia, criar vínculos e colher, em tudo isso, o mais gratificante: o prazer e a satisfação de acolher o mundo do outro, poder mais bem exercitar práticas de compreensão e comunhão com ele. Assim, seremos mais felizes e poderemos enfrentar melhor as “surpresas” da vida se nossa capacidade de empatia for mais desenvolvida, se construirmos relações mais sólidas e se cultivarmos uma maior capacidade de resiliência.

Educação socioemocional: uma missão em prol da educação integral 

Um exemplo claro disso é a reflexão sobre o fato de serem as minhas emoções ferramentas ou armas. Sobre isso, uma menção especial deve ser feita a Aristóteles quando tratava de forma magistral sobre elas: “senti-las na ocasião apropriada, com referências aos objetos apropriados, para com as pessoas apropriadas, pelo motivo e pela maneira conveniente”. A boa notícia é que tudo isso se pode aprender.

O sonho da educação integral, sempre priorizado por nosso colégio, precisa sempre ser enriquecido, afinal estamos num mundo de constantes mudanças. Porém, o homem que compete e que zela pela inteligência – questões nunca esquecidas por nós – ainda é o mesmo homem que anseia por felicidade.
Logo, desenvolvendo a educação da mente e do coração, ajudamos a despertar a sensibilidade do agir: formar não só o cidadão ou o profissional, mas a pessoa, o ser humano, agente de transformação social que se humaniza e transforma o mundo.

Fraternal abraço a todos,  

Pe. Fabio Teixeira dos Santos, OSA.


 

Colégio Agostiniano São José: educar para ser,

pensar, sentir, se relacionar(.

15 de maio de 2018

A escola deve sempre questionar-se sobre a missão dela no mundo.

Acaso ela nos ajudaria somente como “academia da mente?” Hoje, há uma grande descoberta da escola como território dos afetos e das relações, felizmente! De fato, nela nós aprendemos que nosso mundo transcende os limites de nossos lares, aprendemos que a nossa vontade não deve reinar soberana no mundo e aprendemos a trilhar um caminho, enriquecidos por outros companheiros de viagem.

Assim, a vida é movimento, é dança, é relação! Nela dançamos com outras pessoas e o fazemos com nossa mente, corpo, coração e capacidade de relacionar-se. Ela nos envolve por inteiro e, por isso, a prioridade do Colégio Agostiniano São José é cuidar da pessoa integralmente. Neste sentido, nosso colégio vai ao encontro das grandes aspirações do ser humano: ao bem, à justiça, à verdade, à vida e ao amor, anseios que habitam o coração de todos!

Educação integral para felicidade
.

Nossa visão integral de educação quer, em primeiro lugar, pessoas felizes. Em um de seus diversos artigos, o escritor Augusto Cury disse que nunca viu uma geração tão triste, sábia constatação. Contudo, nestes meses de vivência como diretor, tenho visto uma escola serenamente alegre e motivada, pois se assim não fosse, uma “escola triste” seria uma “triste escola”.

Sobre a felicidade o filósofo Teilhard de Chardin dizia: Felicidade de crescer em forças, em sensibilidade, em posse de si mesmo. Felicidade, também, de se juntarem uns aos outros, para se completarem e se unirem”. Num mundo onde se ensina sobretudo a “aprender a ter”, nós ensinamos o jovem a conquistar os recursos interiores, a sabedoria para “aprender a ser”, ser feliz! Na obra agostiniana “A vida feliz”, o amigo de Santo Agostinho, Licêncio, exclamava com alegria: “a maior e mais deplorável indigência é a privação da sabedoria”. De fato, a felicidade é uma empreitada difícil, artesanal e envolve o ser humano por inteiro, principalmente no que diz respeito à construção da sabedoria.

Mais de você em você mesmo: supera-te!
.

É bem verdade que o indiscutível êxito dos nossos estudos é nos tornarmos seres humanos melhores e mais sábios, pois em tudo, o verdadeiro ganho é a própria vida. Parafraseando o filósofo Spinoza seria “ter mais de você em você mesmo”, querendo aludir à necessidade de desenvolver nossos tesouros escondidos e superar os nossos próprios limites. Afortunadamente, são muitos os tesouros conquistados no trabalho educacional de renomada excelência, nestes mais de 70 anos do CASJ.

A formação de nosso corpo docente, a postura ética e acolhedora de nossos colaboradores, o trabalho singular realizado pela tutoria são os nossos diferenciais. Responder, à altura, à confiança que os pais, familiares e alunos nos depositam, é responder com lealdade à missão de educar bem não somente as mentes e as mãos, mas, essencialmente, os corações! Eis a nossa missão!

Fraternal abraço a todos!

Pe. Fábio, OSA.

Pe. Fábio Teixeira dos Santos
Diretor Institucional